domingo, 29 de janeiro de 2017

48 horas de desodorante

AFINAL, para que serve um desodorante de 48 horas, a não ser para os franceses?

A gente é bombardeado com propaganda ilusionista a todo o momento. Recebemos cutucadas para recebermos lavagens cerebrais indiretas....é como eu chamo alguns impulsos que recebemos pelas propagandas e que nos levam a fazer algumas perguntas e nos AUTO lavar mentalmente, sem que possamos perceber e nem culpar ninguém por isso, pois é feito de forma sínica e indireta pelas empresas através da mídia.

Eu tomo banho de 24 em 24 horas, mas conheço gente que toma 5 banhos por dia em dias quentes aqui no nordeste......que desperdício de água e de pele, não!!!??

Agora, se já não bastasse um desodorante que dura 24 horas, temos um que dura 48 horas, mas nunca saberemos se realmente funciona, pois acho que não vamos arriscar a ficar 2 dias sem banho para fazer o teste.

Da mesma forma que esse desodorante foi inventado e agora "aceito" ela população (tanto a que pensa como a que não pensa, pois a que pensa não tem mais muita opção), existem muitas outras coisas que engolimos sem nem sentir o gosto, ou mesmo que sejam amargas ou muito doces, as engolimos sem questionar.

Alias, mais uma pergunta? Quem criou esse desodorante? Como será essa pessoa? E quem aprovou essa criação, como será, o que pensaram?
Não importa muito, importa que influenciaram todas as outras empresas de desodorante e agora todas tem um desodorante 48 horas.
Já que estamos em plena campanha de economia de água (desculpe o pessimismo, mas tarde demais), vamos criar um desodorante 96 horas.....que tal? Quem pode me reprovar por essa ideia?

Por Roberto Raimondo Junior

domingo, 16 de agosto de 2015

QUEM QUER A TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS E QUEM NÃO QUER E OS POR QUÊS.

Pois é, só quem passa em concursos, que muitas vezes não medem "nada" sobre a função que o futuro funcionário vai ocupar, é que quer poder trabalhar no governo e não quer saber de terceirizados.

Não querem concorrência de pessoas mais experientes.
Não querem ter que trabalhar com gente mais capaz e ter que mudar, progredir, aprender. "Vamos fazer o básico" (pra não dizer  mínimo).
Não querem gente com mais conhecimento prático.
Não querem concorrência para as vagas públicas.

Pra que trabalhar em uma empresa "normal" e ganhar a metade do dinheiro, se posso trabalhar a metade no governo e ganhar o dobro??!!!

Nem precisam de testes psicológicos e nem de entrevistas para serem contratados.

E a estabilidade então......AAAHHH que maravilha. Que paz, stress nunca, perder o emprego jamais. Posso planejar minha vida sem medo. Alias toda essa segurança faz qualquer um se acomodar e pensar só no resto da sua vida, pois essa questão do emprego já está resolvida.

Mais um exemplo que estamos vivendo agora é essa onda de ser contra a terceirização em empresas do governo. Sabem quem defende isso? Pois é, os concurseiros de plantão que querem se encostar em um emprego estável. E tem mais, alguns concursos têm exames de "decoreba" que não medem nada a respeito do candidato para o exercício do cargo que vai ocupar.

Acrescento que o Brasil é o país de quem não quer o SABER e sim passar de ano, ser funcionário público ou político.
Existem mestres e doutores que não sabem muito da prática, pois só estudaram.
Além desse time, tem o time que faz mestrado e doutorado para passar em concurso e ficar dando aulas, meio período, em entidades governamentais, ou seja, buscam o serviço público para se garantirem. Igualzinho a concurso público.

Você já viu a grande quantidade de mestres e doutores que temos atualmente no Brasil?
Pois é, estão todos dentro de salas de aula ou de laboratórios, gastando nosso dinheiro de impostos sem terem o gerenciamento adequado de seus projetos, que se derem resultados, tudo bem, mas se não derem, também tudo bem.

E as empresas precisando de pessoas com conhecimentos para apoiá-las. Seria a parceria perfeita; conhecimento teórico aliado ao conhecimento prático. Mas pergunta quem é o doutor que quer se submeter ao mercado de trabalho formal e suas regras!

Outro dia ouvi um político criticando os terceirizados que entregam trabalhos de pior qualidade. Não sei onde ele viu isso. Só se for nas licitações fraldadas onde para se ganhar paga-se. O próprio empresário que ganha promete um tipo de serviço, mas como também é corrupto, entrega outro. E os custos de acidentes de trabalho, de treinamento, de administração da empresa terceirizada? Tudo isso deveria entrar no custo da terceirização, mas nas licitações só se veem o valor em dinheiro e raramente a qualidade é um diferencial decisivo.

Para ganhar uma licitação precisa-se colocar o preço tão baixo que não dá para entregar um serviço de alta qualidade.

Na hora do governo entregar serviço ele paga bem e entrega mal, mas quando quer terceirizar, exige a melhor qualidade ao menor custo.

sábado, 18 de julho de 2015

CRÍTICAS AO SCRUM

O próprio nome MANIFESTO ÁGIL, soa como protesto, revolução, não aceitação dos padrões, revolta contra o tradicional e acho isso antiprofissional.

Quando se começa a falar de SCRUM X PMI, o pessoal do SCRUM já começa comparando "alhos com bugalhos".

E ai PMPs, vocês vão defender "nossa classe", "nossa" metodologia ou vamos assumir nossos erros e melhorar?

Acho melhor e mais inteligente a segunda opção e assumirmos que adotamos o PMI sem coragem de questionar e simplesmente por que não sabíamos gerenciar projetos no Brasil. O que tínhamos para isso? NADA, especialmente na área de TI. Só as grandes (muito grandes) empresas é que tinham algum gerenciamento de projeto, mesmo assim era só de implementação de pacotes vindos das matrizes do exterior, ou pacotes renomados e caríssimos, que vinham com uma metodologia de implementação própria. Então sabe como é, quem tem um olho em terra de cego é rei, ainda mais quando o rei fala inglês. E vamos continuando consumindo o que os capitalistas nos impõem, afinal é por isso que somos terceiro mundo.

Olha só as comparações:

Colaboração com o cliente é mais importante do que negociação de contrato.
Usam palavras bonitas né....."colaboração com o cliente".....olha só, conseguem fazer elogios e mostrar preocupação com os 2 lados, tanto os clientes como a TI (quem entrega).
O termo negociação é usado levando o sentido para a palavra "dinheiro", o que torna o coitado do tradicionalista um capitalista em projetos.
“Contrato” é ruim mesmo.......êta termo que ninguém gosta, mas experimenta então alugar sua casa ou apartamento e não fazer um contrato com seu inquilino.
Comparar colaboração com o cliente versus negociação de contrato? Para com isso.

Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Pôxa, chamaram os tradicionalistas de insensíveis e robôs.
Quem disse que os tradicionalistas não valorizam os indivíduos e as interações e valorizam mais os processos e ferramentas (leia-se que eles quiseram dizer uma palavra só com as 2, ou seja, a metodologia PMBook). Eles comparam 2 coisas sentimentalmente falando e apelam para a questão dos indivíduos e dos relacionamentos contra a metodologia.

Software funcionando é mais importante que uma documentação muito extensa........alhos com bugalhos de novo.
Quem disse que a documentação é muito extensa e quem disse que não temos preocupação com o produto funcionar?
Quanta acusação. Alias, não eram vocês mesmo que nunca fizeram documentação de nada e agora dizem que as documentações são extensas?
Me mostrem as documentações extensas.

Olha só em que tipo de projetos os caras de pau do Scrum dizem que a metodologia é melhor adaptável:

a) Projetos com mudanças constantes. Eu leio sem planejamento e sem saberem o que querem (muita alteração de escopo, influenciando em outras áreas).

b) Equipes que aprendem ao longo do tempo. Reafirma o que eu disse, ninguém sabe direito o que quer e nem como fazer e viram cúmplices uns dos outros.

c) Complexidade e incerteza reduzem a visibilidade. Claramente falta de análises de riscos que o Scrum releva.

d) Colaboração é importante. Ora, é claro, ninguém sabe nada e todos são cúmplices. Vem como uma oportunidade de aprendizagem e precisam colaborar forçosamente, pois senão não sai nada. Não é por que são bonzinhos e colaborativos não.
Lembrem-se que os profissionais que atuam com projetos tradicionais e hoje usam Scrum são os mesmos, então por que não colaboravam antes? A metodologia do PMI não prevê a colaboração? Eu acho que colaboravam sim.

O PO pode justificar a estória ou DEVE justificar a estória? Vocês vão ver no exemplo que darei de um projeto feito com SCRUM se não tiver a justificativa, a probabilidade de dar certo é menor.

A metodologia mexe nos papéis das pessoas para “agradar a gregos e troianos”.

Por exemplo, o PO, proprietário do Produto é na verdade o gerente funcional, cliente que assumiu papéis de gerente de projeto também e dessa forma acabamos com o conflito de poder entre cliente e gerente de projeto.

Além disso, parte-se do princípio de que ele conhece os requisitos do sistema, mas não diz e nem padroniza como esse conhecimento será transmitido. Ou seja, coloca-se o gerente de produtos como gerente de projetos e requisitos ao mesmo tempo, que é o que eles sempre quiseram, além de tirar a responsabilidade da equipe de TI de conhecer os requisitos, outra coisa que TI sempre quis ficar livre também, por que era cobrada de erros como se parecessem que tinham que saber tudo sobre os processos de negócios.

Com essa metodologia, o cliente aprende TI e TI aprende sobre o negócio dia a dia. Uma forma rápida? ou preguiçosa e imediatista? Uma forma abrangente e que visa a integração ou que trata cada projeto isoladamente? Cadê a área de integração entre projetos e o PMO na metodologia Scrum?

Uma forma que gera menos erros ou mais remendos? Menos erros ou mais remendos por que como são verificados diariamente e semanalmente, nem chegam a ser percebidos como erros ou nem chegam a acontecer, por que consertam-os no meio do caminho.
Todo dia pode-se mudar o projeto, parecendo assim que ao final, se conseguiu entregar o planejado, que na verdade não foi planejado e sim foi sendo aprendido/construído.

Ai pegaram os pobres gerentes de projetos e os rebaixaram para serem colaboradores da equipe do PO. Pode crer que essa equipe vai fazer o papel tradicional de gerente de projetos, só que debaixo do PO.

SCRUM Master protege a equipe e retira impedimentos?
Protege de quem?
Quem coloca impedimentos?
Insinuações novamente?
Quais as técnicas que o SM utiliza? Poder, puxa saquismo, panos quentes, panos frios, demagogia, muita conversa com ambos os lados separadamente para não saírem no braço, jogo perde-perde e não se fala mais nisso?

Como esse papel era do gerente de projetos (o chato), pegou-se essa parte do papel do GP e passaram para um cara que se diz entendedor de metodologia de desenvolvimento.
Normalmente um analista de sistemas que fale as duas línguas, negócio e linguagem de TI, e lhe deram poder e uma posição de destaque e só o trabalho de colocar panos quentes e frios e como ele não tem que saber os requisitos e nem ser gerente de projetos (lembre que agora os GPs estão trabalhando para o PO), ele tem que ter conhecimentos de relationship management, comunicação e ser amigo de todos, com um chicote na mão, mas que bate bem devagar, em um nível aceitável para todos. Afinal ele não cobra a equipe (auto-gerenciável) e muito menos vai discutir com o PO que manja tudo do negócio (e não esqueça, já tem uma equipe de GPs).

Engraçado que o Scrum Master ensina o cliente. Ensina o que? ROI?, mas se ele não sabe os requisitos e nem é um GP?

Ensina a não controlar e não comandar? Deixa a equipe se auto-gerenciar? Acho que porque assim fica mais difícil identificar um culpado, pois culpar uma equipe toda é complicado. Quem faria isso no SCRUM, mas com PMI o GP tinha que fazer isso. A culpa no SCRUM é bem sub-dividida e então fica fácil assumir os erros e acertos e ninguém sai muito ferido. Lembrem-se todos são cúmplices.

Por acaso eu posso entender que o GP tradicional era um chato em cima da equipe que não conseguia se auto-gerenciar? Coitadinha da equipe.
Que tipo de planejamento o SM tem para as reuniões? Já que ele é o responsável?

A equipe no SCRUM é multidisciplinar? Como assim? Tem administrador, alguém especialista em riscos, alguém de compras, RH e custos?

Cadê o cronograma? Usam só uma ferramenta chamada relógio para controlar os prazos e adaptam os relógios a velocidade da equipe? ou deveria ser regulado para a velocidade que o negócio precisa?

Coitado do GP, agradeço a SCRUM por ter mostrado como os GPs sofriam injustamente e eram sempre os culpados pelo fracasso dos projetos. Claro, ele que tinha que “fazer tudo”.

Ai só para não assassinar totalmente o GP, eles colocaram um boneco como GP Master, um GP que fica responsável em dar respostas ao negócio em nível estratégico, fica encostado em uma salinha fazendo documentação e vendo a integração entre os projetos. Define algumas políticas nos projetos e virou como se fosse um diretor júnior, entende?

Mas com o SCRUM, ao invés de termos 2 ou 3 GPs em projetos grandes e como as funções do GP foram distribuídas para outras pessoas (de acordo com seus próprios interesses), hoje precisamos só de 1 GP no máximo e ele que se vire para arrumar trabalho e justificar sua posição e garantir sua empregabilidade.

Pontos positivos, ou melhor, só um ponto positivo que vejo: reuniões diárias de acompanhamento mais constantes que impedem do produto sair errado, mas isso não garante menor custo, menor prazo, maior qualidade, ou seja, conseguiu resolver um problema que especialmente a área de TI tem muito que era a de entregar coisas erradas ao cliente e só descobrir isso no "segundo tempo da partida". Minimizou o problema de comunicação, que todos os gerentes de projetos experientes sabem que sempre foi o maior problema nos projetos. Essa comunicação diária e semanal serve meio que um teste do sistema, por isso menos erros e mais retrabalho picado (ou remendos menores). Essa reunião diária é um chicote de “dois gumes”, pois expõe todos na frente um dos outros.

Reunião diária funciona e sabe por que? Por que temos que aprender pouca coisa de um dia para o outro, então fica mais fácil, mas não temos a visão global do produto e de seus benefícios (por isso que eles até dispensam a justificativa).

Cria competição e lida com o medo das pessoas de no outro dia mostrarem que não fizeram nada uns na frente dos outros.

As pessoas se sentem menos cobradas de terem que conhecer tudo e podem justificar e resolver seus erros rapidamente e isso não é considerado como mal entendimento e sim como uma coisa "normal" no SCRUM.

O product backlog tem como principal característica manter as prioridades (que vivem mudando por que a cada dia vai se descobrindo o que realmente se quer) e é claro que quem determina a prioridade é o dono do produto, mas nem sempre tecnicamente falando é fácil para o pessoal de TI mudar as prioridades devido as questões técnicas.

A ordem de priorização proposta pelo SCRUM com base no conhecimento que se tem da história pode ser uma faca de 2 gumes. Explico: se o PO não sabe detalhes de alguma história, então como usa-se esse critério para priorizar algo que não se conhece?

Normalmente o que não se conhece (e o que é mais difícil) é o cerne do sistema, a parte mais complexa, o núcleo, o cálculo mais complexo.
Depois se diz que a ordem de priorização do backlog é a ordem de priorização de implementação.
Afinal qual é a ordem de priorização?
E se tecnicamente/tecnologicamente para o pessoal de TI é mais PRODUTIVO desenvolver algum aspecto do sistema primeiro?
Na verdade a ordem de priorização é definida num jogo de cartas. Essa eu gostei e acho legal, democrático e justo. Evita futuros problemas, pois todos puderam opinar.
É uma forma de não dar chance de alguém dizer que não participou e culpar alguém.
Mas como definir prioridade só vendo a ponta do iceberg?
Onde está o cálculo do ROI desse backlog?

O produto entregue é mais ou menos assim: Um carro com um câmbio só com 1 marcha (pra que mais velocidade, andar é o que importa, mas e agora, quando vamos entregar as outras marchas?, o concorrente já tem 5 marchas), sem porta-malas (caramba, não sabíamos que poderíamos fazer uma viagem, afinal o carro só tinha 1 marcha), sem limpador de para-brisa (puxa, esquecemos dos riscos), só com o banco do motorista (para que pensar em outras pessoas, áreas, pra que integração?)

Acho a área de integração do PMBook pouco usada e acho que a palavra mais correta seria sincronicidade entre as áreas e não integração.

A velocidade da equipe se adapta a equipe, mas e se não for o suficiente conforme a velocidade que o PO precisa?

Quem determina no SCRUM quando um produto está efetivamente pronto para começar a ser usado? Da forma como é dito parece que quando terminamos um “bloco” de sprints e temos um pré produto, já podemos entregar algo ao cliente. Como assim?
Me dê um exemplo. Um bom e bem explicado exemplo.

Em 4 horas se define o que vai ser feito em 1 mês, certo?
Eu duvido que isso funcione dessa forma tão “certinha”. Acredito que se somarem todas as horas de reunião durante 1 mês, vão verificar que gastaram muito mais tempo de reunião com TODA uma equipe e que se compararmos com as horas de execução do trabalho efetivamente, verão que continuam gastando várias horas de “planejamento picados” (que eu prefiro chamar de entendimento dos requisitos picados), o que é absolutamente normal e esperado, ou seja, dizer que gastam 4 horas para definir o trabalho de 1 mês não é verdade. E as horas que gastam diariamente? Tem que somar tudo isso como horas de análise de requisitos.

É dito que se discute até tecnologia sendo usada e se temos algum problema com ela na reunião de planejamento 1 ???!!! Não acha que esse assunto não deve ser tratado nessa reunião?
Quanto tempo sobrará para discutir sobre o negócio efetivamente? O que o PO tem a ver com isso?
Seria prudente colocar até possíveis fornecedores em uma reunião dessas? E a confidencialidade dos assuntos?

Nas reuniões de planejamento 2, o PO participa? Se sim, acho tremendamente desnecessário por motivos óbvios: ele não tem que saber como a equipe vai fazer o trabalho, mesmo por que a equipe é auto-gerenciável, ou não? Na verdade é para tirar dúvidas de requisitos ainda, então vamos somar também nas horas de planejamento 1, pois estão em duplicidade.

Já temos o Scrum Master para participar dessa reunião e que deverá ter seu papel justamente de filtrar o que a equipe discutir e levar só o que interessa ao PO sobre a reunião e fazer o trabalho
que vocês dizem que é o do SM, ou seja, evitar atritos, dirimir dúvidas, etc.
Perceberam que o SM tem poucos papéis até agora?

Acho interessante a colocação de especialistas específicos nas reuniões de planejamento 2. Vou inserir esse conceito nas minhas reuniões mais fortemente. Eu já fazia isso, mas tenho me esquecido. Só acho que eles poderiam já participar da reunião de planejamento 1, mas sabe por que não participam? Por que na reunião de planejamento 1 ninguém ainda sabe nada do produto, então para que chamar um especialista, sem se saber no que esse especialista precisa ser?

Que bagunça de reuniões......Vocês conseguem realmente manter os focos nas reuniões naquilo a que elas se propõem?
A gente fala tanto de reuniões improdutivas nas empresas.......será que realmente as reuniões seguem seus objetivos e metas? ou são reuniões iguais e se fala de tudo um pouco?

Quanto tempo dura uma reunião de planejamento 1 e como é sua dinâmica (forma, documentação, processos, gráficos, etc.) Toda a equipe participa? Tem documentação?

Acho que na reunião diária poderia se falar de tecnologia sim, pois na reunião onde isso é proposto (planejamento 1) é a reunião onde está o PO, então não tem sentido discutir esse tipo de assunto na reunião de planejamento 1 e sim na diária, onde podem ser percebidos dificuldades na execução do trabalho com uma ou outra tecnologia.

Chamar um PO como visitante numa reunião dessas, pra mim, é um absurdo.
Mas é como eu digo.....vocês dividem os méritos, culpas e tornam-se todos cúmplices um dos outros e dessa forma, os egos se acalmam e a coisa tem que andar, mesmo que o produto final
saia meio "distorcido" do que cada um queria PEDIR e/ou ENTREGAR.

Quando vocês analisam e criam planos para os riscos? É através de cartas também e da opinião de cada um sobre o que acha sobre um risco?

É recomendável que durante uma sprint, nada mude, mas é possível isso acontecer. Vocês tem algum dado estatísticos de quantas sprints tiveram alterações durante sua execução e quantas sprints não tiveram mudanças?

Depois ao final, vocês dizem que é possível receber novas histórias durante a sprint. Ora, isso não é uma mudança de escopo? Só por que deram outro nome "receber novas histórias"?

Gostaria de saber como é atualizada diariamente um gráfico de burndown. QUEM o atualiza e com que dados, recebidos ou gerados por quem? Há uma concordância entre todos sobre os dados do gráfico? Acho que deveria ser o SM. Seria um bom papel para ele, já que é o intermediador e conhece os dois lados. Afinal, o que o SM realmente faz?

Do jeito que é colocado o projeto no modelo Scrum, é impossível um projeto dar errado, pois com acompanhamento diário, torna-se impossível mudar o rumo, perder o norte, não detectar problemas na equipe, etc.

Quem e quando se controla a qualidade das tarefas diárias quando as mesmas vão sendo colocadas como encerradas?

Então, vocês poderiam me mostrar dados sobre os motivos pelos quais, alguns projetos usando Scrum não deram certo?

Quais foram esses motivos? Quais foram as lições aprendidas?
No gerenciamento tradicional de projetos, as lições aprendidas também são estudadas não tão profundamente quanto deveriam e a relação causa-efeito também. As causas raízes e os malefícios que o projeto gerou não são muito considerados, stress da equipe, por exemplo.

Na reunião de retrospectiva, na qual o PO deveria estar, vocês tiraram. Nessa reunião todos tem que estar e lavar a "roupa suja" e também exaltar os pontos positivos, mas ai vocês evitam esse enfrentamento (no bom sentido) e a equipe não pode criticar o PO e nem o PO pode falar nada sobre a equipe. Continua o esquema de agradar a gregos e troianos.

Sobre os riscos, vou sugerir uma coisa.....criem uma tabela de riscos por backlog e mantenham esse quadro ao lado da tabela de backlog para irem acompanhando se os riscos tem probabilidade de acontecer ou não, ou cadastrar novos riscos identificados.

Não usam baseline? Acho que não dá tempo para isso, pois o projeto muda o tempo todo e o tempo é tão curto que baseline perde sua função.

Documentação inexistente? Qual a documentação final de um projeto gerenciado por Scrum?

Todos se suportam, pois é assumido de que não precisam saber e nem estudar nada de antemão, pois tudo será sendo feito aos “picados”.

Planejamento fica como irrisório e desnecessário e nem diz quem participa do planejamento e se tem algum responsável e/ou quem valida o planejamento.

E cadê a integração entre as áreas?

Eeeeiiiii GPs acordem, tão batendo em vocês pelas costas e vocês não tão nem vendo (pois estão trabalhando duro nos projetos).
Vamos questionar algumas coisas do PMI que estão na “metodologia”, fazemos, ou não fazemos.
Por exemplo: quem faz lista de fornecedores e quem utiliza essas listas nos novos projetos antes de contratar um fornecedor?
Vamos ter mais proximidade com nossos clientes e falar mais com eles, testar mais os produtos em blocos menores e não ficarmos preocupados em surpreender o cliente entregando algo bem melhor ou só quando estiver completamente pronto.

Vamos dar um exemplo de projeto então, para não ficar só nos exemplos isolados que dei acima?
Vamos fazer aquele projeto que todo mundo faz no começo da carreira que é o projeto de uma viagem, lembra?
Então........como todos já sabemos como funciona no modo tradicional, vamos só descrever como ele é feito no SCRUM.
Alguém diz saber o que quer, para onde temos que ir, só que esse cara não sabe como.
Então alguém que não conhece o lugar onde vamos chegar, levanta a mão e diz que sabe como.
Para intermediar essa falta de conhecimento de ambas as partes, coloca-se um mediador que vive convencendo ambas as partes de que ambos estão alinhados, aprendendo, se auto-gerenciando (ué....agora que percebi, se a equipe é auto-gerenciável, por que o PO assumiu algumas função de GP?, temos um GP Master ainda e precisamos de um mediador (só para fazer reuniões)?

Mas continuando a viagem, vemos que pelo Scrum podemos cair nas seguintes falhas que não foram devidamente estudadas para não acontecerem.
a) esquecemos de levar as malas.....tudo bem, ainda estamos no caminho do aeroporto, dá pra voltar
b) quando chegamos para pegar as malas, alguém auto-gerenciável, já arrumou as malas pra nós?
c) descobrimos que as malas estão desarrumadas, mas tudo bem, estamos aprendendo e eu mesmo que teria que fazer as malas vi que tinham coisas na mala que nem eu mesmo ia lembrar
d) nessa hora aparece o "pano-quente"
e) não custou nada tudo isso.......é melhor do que descobrir que as malas não foram quando chegarmos no destino (se chegarmos, pois no SCRUM o destino vai sendo traçado dia a dia por que o que disse saber pra onde queria ir percebeu que não era bem assim e os que não sabiam pra onde ir, mas diziam dizer saber como, já entenderam, que pelo menos, deve ser uma viagem longa ou curta e para onde, a depender do tamanho e conteúdo da mala.
f) Não esquenta não......não perdemos a viagem e nem a reserva, pois podemos jogar para o próximo sprint (sem custo?) (e o prazo?), mas pelo menos, a qualidade teve uma maior garantia de entrega de um melhor produto que está sendo criado agora em conjunto pelos dois lados que estão aprendendo.
g) cadê a justificativa da estória, da viagem?

Vocês tem alguma estatística sobre quantos projetos com sucesso e sem sucesso foram entregues pelo método tradicional e pelo método Scrum?

Por favor, se o SCRUM é uma nova forma de gerenciar projetos, me digam o que o SCRUM tem em comum com o PMI.

Compactar é diferente de agilizar. Tirar processos é diferente de agilizar. O Scrum serve para a área de TI, mas para projetos de menor risco. Experimente construir uma ponte usando Scrum, ou um sistema de controle de qualidade que lide com risco de vidas.

Gostaria de saber se tem algum índice de rotatividade de pessoal em projetos Scrum X em projetos com PMBook.


Se quiserem um trabalho de crítica sobre a metodologia do PMI, igual a esse, é só pedir.

quarta-feira, 8 de julho de 2015

NOVELA WINDECK NA TV BRASIL

É decepcionante, vergonhoso, apocalíptico e retira as esperanças de poucos que ainda viam a TV BRASIL como uma TV “pura”, que mantinha certos valores morais, e antes destes, os valores de Deus, mas que veem a TV Brasil iniciar uma caminhada no sentido do erro, inaugurando sua primeira novela carnal e por que não dizer "global"!!!???

Se vocês soubessem o que estão fazendo. O pior é que pensam que sabem.

Se quiserem ter o primeiro lugar na audiência e deixar de ser lugar de emprego de muitos intelectuais omissos que vivem tomando chá e massageando seus egos, e que são, insalubres e inodoros para a sociedade, alias, são um peso para a mesma, é só me avisar que dou várias sugestões para serem o primeiro lugar na corrida da audiência.

Todos vocês estão perdendo seus tempos e suas vidas. Digo isso por que gostaria que somassem suas horas e suas vidas, vislumbrando o resultado que tudo o que vocês tem feito, tem nos levado ou trazido a nós como sociedade, como seres humanos, VERSUS, o que vocês tem feito para o contrário acontecer, ou seja, o malefício que a perda de tempos e vida de vocês tem trazido a nós e aos seres humanos, pois como outro ser humano qualquer vocês são capitalistas, consomem coisas que poluem, pensam só em si mesmos e nas suas famílias e não conseguem ver mais do que daqui a cinco passos a frente.

Tudo isso escrevi apenas para falar uma coisa: Só o AMOR importa, mas isso para vocês não é real, não é imaginável, não demonstrariam seus egos através do AMOR, pois quem ama não tem ego, mas o AMOR é o único Caminho que mostra a real Verdade do que somos e nos leva a eterna Vida a qual pertencemos.

Infelizmente cada um quer se pertencer, ser auto suficiente, livre, donos de suas escolhas e de suas vidas, aquelas vidas que vocês não têm e buscam incansavelmente sem saber que a estão buscando, por que não a conhecem. Se cruzarem com elas na esquina, não a reconhecerão.

Esperarei ansioso a próxima novela da TV BRASIL e assim que a mesma iniciar, terei o maior prazer em mudar de canal.

Vocês perderam totalmente a legitimidade que talvez um dia tiveram (ou era um disfarce) para criticar quem quer que seja. No final tudo termina em uma questão de dinheiro e/ou poder.

Posso saber o nome da pessoa que sugeriu essa ideia da novela? E de quem aprovou? E se teve alguém contra a implementação da novela? Espero que todos assistam a novela junto com suas famílias e não percam nenhum capítulo (e não me contem).

?????????????mente,


Roberto Raimondo Jr.

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Esses HOMENS QUE AGEM merecem uma HOMENAGEM

Vou dar uma sugestão que talvez não tenha passado em nossas mentes.
O povo sai as ruas para fazer protestos e passeatas, mas por que não saímos as ruas para incentivar e motivar, reconhecendo o valor de pessoas que estão lutando por um Brasil melhor?

Que tal a gente marcar um dia e sairmos todos as ruas e fazermos uma homenagem ao pessoal da Polícia Federal, Promotores (alguns tão jovens e cheios de força e que não se deixam intimidar apesar de sua juventude), Policiais, Investigadores, Delegados, Pessoal de Apoio em geral, Motoristas, Legistas, etc. (Me desculpem se não citei outros cargos e pessoas importantes).

Meu muito obrigado aos honestos, lutadores, destemidos e homens e mulheres que batalham por um mundo melhor

Por Roberto Raimondo Junior


quarta-feira, 24 de junho de 2015

O QUE É MELHOR, EXEMPLO OU CONHECIMENTO?

Vou iniciar o texto com uma afirmação:
Quando se tem um exemplo (bom ou mal), e se vê e vive em uma certa condição (boa ou má), então esse exemplo ou condição se tornam referências. Esses exemplos e situações são vividos e experimentados, gerando ligações neurais, sentimentos, reações e aprendizado através da vivência.

Depois, certo dia, se tivermos a oportunidade, teremos o conhecimento "correto" sobre aquele exemplo vivido, aquela circunstância ou situação, mas como a referência já foi criada e enraizada, fica difícil trocar a referência pelo novo conhecimento.

Agora eu lanço uma pergunta:
E o que dizer dos bons exemplos de pessoas que saem de maus exemplos de vida, condições e situações?

Para mim isso é explicado através da matemática, da probabilidade, da exceção a regra e hoje no Brasil estamos vivendo essa fase, onde há exceções, pois a maioria está indo pelos exemplos ruins e criando uma realidade bem diferente da que poderíamos estar tendo e vivenciando.

As vezes, as pessoas dizem: "Nunca é tarde", mas isso não é regra e as vezes há exceções até para isso e pode ser tarde demais para muitas coisas.

Por Roberto Raimondo Junior